sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Opinião: Magya (Septimus Heap #1)


Título original: Magyk (2005)
Autor: Angie Sage
Tradutor: João Seixas
ISBN: 9789722339568
Editora: Editorial Presença (2008)

Sinopse:

Septimus Heap, o sétimo filho do sétimo filho da família Heap, é roubado à nascença e dado como morto. Nessa mesma noite, quando regressava ao Castelo, o pai, Silas Heap, encontra uma menina recém-nascida de olhos violeta perdida na neve e adopta-a. Entretanto, DomDaniel, o Mago Extraordinário, entrega-se à magia negra e é destronado por um novo mago, Alther. Para se vingar, DomDaniel assassina a rainha, mas deixa escapar a sua filha e sucessora ao trono. Volvidos dez anos sobre estes enigmáticos acontecimentos, DomDaniel regressa com o seu desmedido desejo de dominar o mundo...

Mas muitos mistérios permanecem sem resposta... Onde estará Septimus Heap? E quem é na verdade a menina de olhos violeta? Pleno de criatividade, humor e suspense, este livro lança-nos um desafio irresistível: o de nos aventurarmos a entrar num mundo mágico que jamais desejaremos abandonar.

Opinião:

Magya é tal como o título indicada: um livro que apresenta uma narrativa onde os encantamentos e feitiços têm um papel de destaque. Introdução da saga “Septimus Heap”, que já conta com sete volumes publicados no original, apresenta um mundo medieval onde a magia permite funcionalidades da modernidade (revelo-vos apenas que existe uma espécie de escada rolante num castelo).

A primeira impressão do leitor vai para o ambiente fantástico e também para o grande fosso que existe entre classes sociais. Por um lado, existem os prestigiados que habitam no palácio, no outro temos a população que habita em bairros sobrelotados. E, no meio de tudo isto, surge uma época marcada por um regiam ditatorial, onde a magia é banida e a liberdade condicionada.

As personagens são dotadas de personalidades características e bem vincadas, apesar de poderem estar dentro de moldes encontrados em outros livros do género. A autora consegue transmitir bem as particularidades e pensamentos de cada figura que surge, o que permite ao leitor ter uma visão mais abrangente.

A trama é simples e está bem interligada apesar de não ser demasiado elaborada. Os acontecimentos são previsíveis e as revelações finais não guardam grande surpresa. Afinal, as pistas sobre o que pode acontecer estão presentes em toda a narrativa e o leitor mais atento vai detetá-las com facilidade.

O teor sarcástico da escrita é um dos elementos característicos deste livro, contudo, o facto de estar integrado num teor demasiado infantil faz com que perca alguma da sua força. Esta é uma particularidade arriscada, pois tanto pode aprazer, como pode não agradar completamente um leitor mais exigente.

No final, a autora apresenta uma lista de todas as personagens secundárias que desapareceram, permitindo ao leitor, de uma forma deliciosa, descobrir o destino que lhes foi concedido. Uma preocupação muito interessante.

Longe de ser uma leitura exigente é, sobretudo, um livro que proporciona momentos de lazer num mundo repleto de magia. Não se distingue, mas sugere que algo de melhor e mais intenso poderá acontecer neste mundo criado por Angie Sage.

2 comentários:

Ray* disse...

Tenho este livro para ler ;)) tive a confirmação de que é a minha cara!! muito boa a opinião!

Cláudia disse...

Eu estava à espera de mais e não fiquei surpreendida, mas já li por aí que a série melhora de livro para livro. Vamos lá ver.