quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Opinião: O Hobbit

Título original: The Hobbit (1937)
Autor: J. R. R. Tolkien  
Tradução: Tito Lyon de Castro
ISBN:  9789721043053
Editora: Publicações Europa América (2007)

Sinopse:

O Hobbit é a história das aventuras de um grupo de anões que vão à procura de um tesouro guardado por um terrível dragão.
São relutantemente acompanhados por Bilbo Baggins, um hobbit apreciador do conforto e vida calma. Encontros com elfos, gnomos e aranhas gigantes, conversas com o dragão, Smaug, o Magnífico, e a presença involuntária na Batalha dos Cinco Exércitos são algumas das experiências por que Bilbo passará. O Hobbit é não só uma história maravilhosa como o prelúdio a O Senhor dos Anéis.

Opinião:


Quando se fala em J. R. R. Tolkien é inevitável relembrar o incrível e envolvente mundo exposto nas suas obras. Os fãs do autor decerto se sentem fascinados pela complexidade da história envolvente e pela definição das muitas raças existentes, contudo, é interessante ver como tudo isto começou com uma ideia tão simples.
“Num buraco do chão vivia um hobbit”, começa Tolkien, preparado para nos iniciar neste universo, arquétipo de muitos outros autores que viriam depois dele. Esse hobbit não era um sábio, um guerreiro ou um feiticeiro, era pura e simplesmente um hobbit, um dos seres mais simples da Terra Média. Bilbo Baggins é o nome deste ser habituado ao conforto do seu lar. Desde cedo é criada simpatia por esta personagem tão relevante e marcante na fantasia épica.

Certo dia, Bilbo recebe um estranho visitante. Gandalf, o feiticeiro cinzento perturba a vida tranquila do hobbit, e, com ele chegam treze anões que anseiam recuperar o lar dos seus antepassados. É impossível não ficar cativado com o sábio feiticeiro que se revela um líder perspicaz e um guia subtil, ou com o grupo de anões que, apesar das personalidades diversas, proporciona tanto momentos descontraídos como outros mais temerosos.

Bilbo nem quer acreditar no que a sorte ou o azar lhe levou à porta de casa. E se no início os instintos dos da sua espécie o dizem para expulsar aquela estranha gente da sua vida, com o tempo acaba por descobrir uma estranha necessidade de partir numa aventura e conhecer novas terras e pessoas. Quando dá por si, Bilbo está a viajar para fora do seu amado Shire em estranhas companhias. Pelo caminho, os valores deste hobbit são colocados à prova, quer seja na resistência física ou no combate a trolls, gnomos e até um terrível dragão que guarda um enorme tesouro.

Terminada esta aventura, não há como não ficar rendido a Tolkien. Em O Hobbit, o autor apresenta uma história adequada para todas as idades. Afinal, se uma análise superficial mostra uma trama simples, direcionada para um público jovem e baseada na sequência de peripécias, um leitor mais atento apercebe-se de algumas mensagens subtis e cativantes deixadas pelo autor.

Tolkien mostra que o ser mais simples é capaz de fazer toda a diferença. Daí escolher o hobbit para seu protagonista. Deste modo, quem ultrapassa as grandes adversidades não é o grande feiticeiro ou o guerreiro mais forte, mas sim o mais humilde dos seres, dotado de toda a sua bondade e coragem. Igualmente, o autor revela que todos possuem bem e mal dentro de si, e que a verdadeira provação está em escolher qual usar em cada momento. O respeito pelo passado e pelo meio ambiente estão também em evidência, nomeadamente na personificação destes conceitos em figuras concretas.

É ainda de enaltecer a presença de ilustrações realizadas pelo próprio autor. Estas não só nos aproximam mais da sua visão como fornecem uma maior beleza à edição.

O Hobbit torna-se um volume obrigatório na biblioteca de cada leitor. É um livro encantador que revela novos aspectos a cada releitura.

6 comentários:

Cata disse...

Foi a minha estreia com o autor e adorei :')

Cláudia disse...

Eu, por acaso, li este depois de O Senhor dos Anéis. :)

Cata disse...

Vou ler o I d'O Senhor dos Anéis em Novembro *.*

Cláudia disse...

É tão bom! *.* Foram os livros que demorei mais tempo a ler pois não queria que acabassem

Cata disse...

Jura? *.*

Cláudia disse...

Mesmo! Estão entre os meus preferidos de sempre :)