quinta-feira, 26 de junho de 2014

Opinião: O Amante (Trilogia Este Homem #1)

Autor: Jodi Ellen Malpas
Título Original: This Man (2012)
Tradução: Mário Dias Correia
ISBN: 9789896575021
Editora: Planeta (2014)

Sinopse:

Um romance repleto de erotismo e sensualidade, protagonizado por um casal que experimenta momentos tórridos de amor e sedução.
A jovem designer de interiores Ava O’Shea tem uma reunião de consultoria com o sr. Jesse Ward, proprietário do misterioso O Solar. Ela está esperando nada mais do que um homem velho, acima do peso e que usa terno e gravata, mas dá de cara exatamente com o oposto. Jesse é devastadoramente bonito, charmoso e confiante. Mas também é vaidoso, arrogante e não conhece limites. Ava não quer se sentir atraída por ele, mas não pode controlar o efeito avassalador que esse homem tem sobre ela. Cada instinto está lhe dizendo para correr, mas Jesse Ward não está disposto a deixá-la escapar. Ele a quer e está determinado a tê-la. Ava sabe que está prestes a entrar em um relacionamento intenso e conturbado, mas o que fazer se ele não a deixa ir?

Opinião:

O Amante, de Jodi Ellen Malpas, marca o início da trilogia “Este Homem”. Neste volume, podemos assistir aos primeiros passos da relação de Ava O’Shea com Jesse Ward. A atração entre estas duas personagens possui uma elevada carga erótica, algo que marca toda a leitura.

A narração é feita na primeira pessoa por Ava. Logo ao início, é possível perceber que se trata de uma jovem mulher completamente focada na sua carreira. Designer de interiores, Ava vinga na área do luxo moderno, o que sugere que é uma mulher sofisticada. Também é possível entender que no campo sentimental Ava foi muito magoada, o que faz com que sinta receio na entrega, especialmente no que toca ao seu coração.

O desenrolar da narrativa avança rapidamente ao início, por isso o primeiro encontro entre Ava e Jesse é instantâneo. Logo se percebe que entre os dois houve uma forte atracção física.  É essa mesma atracção que vai pautar o relacionamento que a partir daí vai nascer. Percebo que esta escolha está ligada às necessidades de Ava. Ela é uma mulher que não quer um envolvimento sentimental, por isso a entrega do corpo torna-se mais simples. Através do prazer fugaz Ava ganha uma nova confiança o que faz com que aos poucos e poucos cure feridas antigas e comece a abrir o seu coração. Estas escolhas da autora podem parecer demasiado básicas, mas na minha opinião estão ligadas às necessidades da protagonista.

E se por um lado percebo as opções da autora, por outro não fiquei fã delas. Isto porque a relação que existe entre Ava e Jesse tem pouco conteúdo. É tudo físico e sexual, o que faz com que não exista um conhecimento de quem é outro e com que o desenrolar dos acontecimentos seja feito com base na sequência de experiências sexuais. Para além do mais, confesso que não fiquei nada cativada com a personagem de Jesse.

Estava curiosa quanto ao homem controlador que a sinopse prometia, mas acabei por achá-lo exagerado e, em certos momentos, assustador. Jesse é o tradicional homem mais velho, experiente, poderoso e rico. Alguém que está habituado a ter tudo o que quer. Portanto, quando decide que quer ter Ava faz de tudo para o conseguir. As suas atitudes fazem lembrar as de um perseguidor e, por vezes, também as de um raptor. Jesse coloca as suas vontades acima dos desejos de Ava e faz com estas se cumpram sempre. Ava parece mais um objecto do que uma mulher nas mãos deste homem, algo que me causa repulsa. Para além do mais, os ataques de ciúmes e controlo sugerem restrições à liberdade individual de Ava. Assim sendo, não consegui ver Jesse como o homem atraente e irresistível que a autora pretendia transmitir.

O cenário londrino foi bem escolhido para esta trama que junta a modernidade com a tradição de famílias poderosas. O ritmo da leitura mantém-se, apesar de a história ser feita de acontecimentos de aproximação e afastamento entre Ava e Jesse. Gostei de, logo do início ficar a impressão de que existem inúmeros segredos a desvendar e de no final tal acontecer. Não foi algo que me surpreendesse, mas é uma boa base para dar continuidade à trilogia.

Jodi Ellen Malpas consegue deixar a sua marca num género tão explorado e que cai facilmente em lugares comuns. O Amante pode apresentar diversas falhas e pode apresentar ideias que não agradam a todos, mas que decerto fazem pensar sobre o que é uma relação, o que se pretende obter de alguém e também o que se pretende dar.

4 comentários:

Elidiane Silva disse...

Ameii o livro. Fiquei fascinada com a história de Jess e Ava ;-)

Elidiane Silva disse...

Apesar de não gostar dessa relação e do egoísmo do Jess.

Cláudia disse...

Ainda bem que apreciaste Elidiane :) Aviso que o segundo tem revelações interessantes*

JU VELOZO disse...

Eu estou no terceiro, mas sinceramente, estou me obrigando a não largar. me obrigando a ir até o final porque odeio abandonar livros. estou odiando. A Ava como é citado acima, é uma verdadeira mulher objeto. Ela até agora, esta deixando de ser ela mesma pra gozar. Aff odeio personagens assim, que abandonam suas personalidades.Vou até o final porque espero, espero com muita ansiedade, que a autora me surpreenda e me mostre uma reviravolta.